Historia

Bijelo Dugme foi uma banda de rock da Bósnia e Herzegovina formada em 1974 em Sarajevo. A banda lançou nove álbuns até 1989. Seu líder foi o compositor e guitarrista Goran Bregović. Há muito tempo atrás, existia um país chamado Iugoslávia. E esse país, por incrível que pareça, tinha a segunda maior cena pop/rock em toda a Europa, perdendo apenas para a Inglaterra. Nos anos 70 e 80 pipocavam pelas balcãs bandas de Belgrado a Sarajevo, passando por Skopje e Zagreb, e hoje falaremos de uma das mais importantes e influentes a surgir nesse canto do mundo: o Bijelo Dugme. Foi uma espécie de fusão dos Beatles e Rolling Stones para o povo de lá, a primeira banda que se apresentava como um bando de garotos irreverentes e transgressores na então Iugoslávia. O Bijelo Dugme foi fundado por Goran Bregovic, natural de Sarajevo. Passou boa parte de sua infância estudando violino numa escola de música, porém foi expulso por 'falta de talento'. Sua mãe então deu-lhe um violão, um investimento que seria fundamental anos mais tarde, quando nasceu o Jutro (Manhã), que contava com Goran Bregovic na guitarra, Zeljko Bebek na voz, Zoran Redzic no baixo, Goran 'Ipe' Ivandic na bateria e Vlado Pravdic nos teclados. Após serem rejeitados pela gravadora Diskoton em Sarajevo, foram convidados a gravar seu primeiro single, lançado pela gravadora Jugoton em Zagreb, chamado Kad bi' bio bijelo dugme (Se eu fosse um botão branco). O empresário da banda persuadiu Bregovic a mudar o nome da banda para Bijelo Dugme (Botão Branco), pois já havia um grupo em Ljubljana chamada Jutro. O single foi um hit tremendo, e Bregovic gabava-se de "ter vendido tantos discos quanto existem toca-discos na Iugoslávia. Talvez devêssemos começar a vender toca-discos junto com os discos." O primeiro LP, Kad bi' bio bijelo dugme foi lançado em 1974. Mas o que o Bijelo Dugme fazia que as outras bandas da região não faziam? Uma fórmula de rock simples com letras maliciosas, carregadas de alusões eróticas, temperada com influências da música folk balcã (o que apelidou o estilo musical do grupo como 'rock camponês'), além de uma produção mais profissional e cristalina. Todos esses elementos podem ser encontrados no segundo álbum da banda, Sta bi dao da si na mom mjestu (O que você daria para estar no meu lugar), de 1975. Foi o primeiro álbum a vender mais do que 100.000 cópias na Iuguslávia. Uma popularidade de massas e histeria adolescente pelo grupo foi tal que a mídia local batizou-a de "Dugmemanija" em referência à "Beatlemania" dos anos 60.  Saem Zoran Redzic, Goran 'Ipe' Ivandic e Vlado Pravdic da banda - o baixo fica por conta de Zeljko Bebek e Milic 'Mica' Vukasinovic e Laza Ristovski substituem Ivandic e Pravdic, respectivamente, para a gravação do álbum Eto! Bas hocu! (Aí! Eu vou!), contando com a ajuda de músicos de estúdio para algumas passagens de metais. O álbum foi lançado em 1976 e, apesar de sua inegável qualidade, não alcançou o patamar de vendas dos primeiros trabalhos da banda, e uma série de shows medíocres alimentaram especulações sobre o fim do grupo. No entanto, um concerto de 'despedida' de Bregovic, que passaria um ano no exército, atraiu uma multidão de 10.000 pessoas no dia 28 de agosto de 1977, trazendo novos ares de esperança para o grupo. Nos anos 80, o som do grupo foi cedendo à New Wave em álbuns como Dozivjeti stotu (Vivendo até o centenário) de 1980 and "Uspavanka za Radmilu M. (Cantiga de ninar para Radmila M.) de 1983. O vocalista Zeljko Bebek deixaria o grupo para embarcar numa carreira - solo, sendo substituído por Mladen Vojičić Tifa no álbum auto - intitulado de 1984 e o por Alen Islamovic nos álbuns Pljuni i zapjevaj (Cuspe e cante) de 1986 e Ciribiribela de 1988. Após uma gig em Derventa, na atual Bósnia, em 15 de março de 1989, Islamovic sai da turnê em função de dores nos rins e, apesar de não aparentar, era o início do fim do grupo. Bregovic decidiu acabar com a banda, alegando 'um grande alívio' com o fim do Bijelo Dugme.

Curiosidades

Zoran Redzic e Vlado Pravdic retornam à banda, e é gravado em 1979 o álbum Bitanga i princeza (O ladrão e a princesa), por muitos considerado como o mais maduro disco de toda a carreira da banda. O 'rock camponês' do grupo enfrentava a poderosa New Wave que se infiltrava por todo o país

Integrantes

Goran Bregović (Guitarra, 1974-1989)

Željko Bebek (Vocais, 1974-1984) 

Mladen "Tifa" Vojičić (Vocais, 1984-1985) 

Alen Islamović (Vocais, 1986-1989) 

Zoran Redžić (Baixo, 1974-1975, 1977-1989) 

Jadranko Stanković (Baixo, 1974) 

Goran "Ipe" Ivandić (Bateria, 1974-1976, 1977-1978, 1982-1989) 

Milić Vukašinović (Bateria, 1976-1977) 

Dragan "Điđi" Jankelić (Bateria, 1978-1982) 

Vlado Pravdić (Teclado, 1974-1976, 1978-1987) 

Laza Ristovski (Teclado, 1976-1978, 1984-1989)

 

Discografia

Álbuns de estúdio

1974 - Kad bi' bio bijelo dugme - Link

1975 - Šta bi dao da si na mom mjestu - Link

1976 - Eto! Baš hoću! - Link

1979 - Bitanga i princeza - Link

1980 - Doživjeti stotu - Link

1983 - Uspavanka za Radmilu M. - Link

1984 - Bijelo dugme - Link

1986 - Pljuni i zapjevaj moja Jugoslavijo - Link

1988 - Ćiribiribela - Link

Ao vivo

1977 - Koncert kod Hajdučke česme - Link

1981 - 5. april '81 - Link

1987 - Mramor, kamen i željezo - Link

2005 - Turneja 2005 - Sarajevo, Zagreb, Beograd - Link

                                                                                                                                 Vídeos

                                                                                                                         

 
 
 
 
 

SIGA nossas redes

  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Instagram

© 2018-2019 | GeraRock® - Todos os direitos reservados