Historia

Tudo começou quando os amigos Bob Hite como vocalista, Al Wilson na guitarra, Mike Perlowin na guitarra, Stu Brotman no baixo e Keith Sawyer na bateria, resolveram montar uma banda na pequena cidade de Topanga, no condado de Los Angeles. Perlowin e Sawyer sairam dias depois da banda ser formada, cedendo lugar para o guitarrista Kenny Edwards e Ron Holmes, que aceitou assumir a bateria momentaneamente. Edwards saiu e foi substituído por Henry Vestine (que havia sido expulso do Frank Zappa's Mothers of Invention por uso excessivo de drogas). Frank Cook entrou para substituir Holmes como baterista permanente. Poucos dias antes de lançar seu álbum de estréia, a banda participou do Monterey International Pop Music Festival, tendo tocado no mesmo dia que The Byrds, Jefferson Airplane e Otis Redding. O primeiro álbum da banda foi gravado em 1966 pelo produtor Johnny Otis. A banda era formada por Bob Hite, Al Wilson, Frank Cook, Henry Vestine e Stu Brotman. O álbum só foi lançado em 1970 como "Vintage". Meses depois da gravação, Stu Brotman deixa a banda e para seu lugar foi escolhido Mark Andes, que meses depois também abandonou a banda. Skip Taylor e John Hartmann passaram pela vaga de baixista, até que Larry Taylor se fixasse na banda em março de 1967. Com essa formação (Hite, Wilson, Vestine, Taylor, Cook) a banda começou a gravar seu álbum de estréia em abril de 1967. O álbum auto-intitulado "Canned Heat" foi lançado em julho de 1967. O álbum não continha nenhuma faixa autoral da banda, continham apenas regravações de clássicos do Blues, mas mesmo assim foi razoavelmente bem sucedido, atingindo a 76° posição na The Billboard 200. Frank Cook foi substituído por Fito de la Parra, após um incidente em Denver, Colorado. Assim começou o que Fito se refere como a clássica e talvez a mais conhecida formação do Canned Heat, que juntos gravaram algumas das canções mais famosas e bem conceituadas da banda. Durante este período "clássico", Skip Taylor e John Hartmann introduziram o uso de apelidos nos membros da banda: Bob "The Bear" Hite, Alan "Blind Owl" Wilson, Henry "Sunflower" Vestine (and later Harvey "The Snake" Mandel), Larry "The Mole" Taylor e Adolfo "Fito" de la Parra. O segundo álbum da banda, "Boogie with Canned Heat", foi lançado em janeiro de 1968. O álbum contém a faixa "On the Road Again", uma versão atualizada de uma canção gravada por Floyd Jones em 1953. A faixa alcançou a 16° colocação na Billboard Hot 100 e a 1° colocação na UK Singles Charts. Essa foi a primeira faixa da banda a estourar no mundo inteiro. Ao longo dos anos ela foi regravada diversas vezes e apareceu em alguns filmes, como Alice in the Cities (1973), Hideous Kinky (1998), Frequency (2000), Cold Creek Manor (2003) e The Bucket List (2007)."Boogie with Canned Heat" também tinha a faixa "Fried Hockey Boogie" (creditada a Larry Taylor, mas, obviamente, derivada do riff de "Boogie Chillen", de John Lee Hooker, o mesmo riff foi adaptado para a clássica "La Grange" do ZZ Top). Graças a essa faixa a banda ficou conhecida como "os reis do boogie". A faixa "Amphetamine Annie" foi uma das primeiras canções anti-drogas da época. Em 1968, depois de tocar para mais de 80 mil pessoas na primeira edição do Newport Pop Festival, o Canned Heat partiu para sua primeira turnê européia. Isso implicava em um mês de concertos e compromissos de mídia que incluiam aparições na TV no programa britânico Top of the Pops. Eles também apareceram no programa alemão Beat Club, onde "On the Road Again" assumiu a 1° colocação de quase todas as paradas européias. Em outubro de 1968 a banda lançou o álbum "Living the Blues", que contém um dos maiores hits da banda, "Going Up the Country". A faixa alcançou a 11° colocação na Billboard Hot 100, a 19° colocação na UK Singles Chart, foi 1° colocada em outros 25 países e tornou-se o tema não-oficial de Woodstock. Em julho de 1969 a banda lançou o álbum "Hallelujah". O Melody Maker escreveu: "Embora menos ambicioso do que alguns dos seus trabalhos, este não deixa de ser um álbum excelente de Blues e eles continuam a ser os mais convincente dos grupos brancos de Blues". Poucos dias após o lançamento do álbum, Henry Vestine deixou o grupo. Harvey Mandel entrou em seu lugar. Eis que chega o tão esperado dia 16 de agosto de 1969, o dia em que o Canned Heat tocou no Woodstock Festival e entrou para a história do Rock. A banda tocou no mesmo dia que Santana, Mountain, Grateful Dead, Creedence Clearwater Revival, Janis Joplin, The Who e Jefferson Airplane. Antes de sua turnê européia no início de 1970, a banda gravou "Future Blues", um álbum contendo cinco composições originais e três covers. O single "Let's Stick Together", originalmente gravdo por Wilbert Harrison, alcançou a 26° colocação na Billboard Hot 100, a 2° colocação na UK Singles Chart e a 1° colocação nas paradas de 31 países. O material de sua turnê pela Europa em 1970 foi lançado como o álbum ao vivo "Canned Heat '70 Concert Live in Europe", que mais tarde seria chamado de "Live in Europe". Embora o álbum tenha rendido alguns elogios da crítica e foi bem sucedido no Reino Unido (atingindo a 15° colocação), teve apenas um sucesso comercial limitado em os EUA. Retornando da Europa em Maio de 1970, um exausto Larry Taylor deixou a banda para se juntar John Mayall (que mudou-se para Laurel Canyon) e foi seguido por Harvey Mandel. Com a saída de Taylor e Mandel, Vestine assumiu a guitarra e o baixo foi assumido por Antonio de la Barreda, que havia tocado com Fito de la Parra por cinco anos na Cidade do México. Essa formação entrou em estúdio para gravar com John Lee Hooker (Gravou mais de 500 músicas e aproximadamente 100 álbuns, uma lenda do Blues) as faixas que resultaram no álbum no duplo "Hooker 'n Heat". A banda conheceu Hooker no aeroporto de Portland, Oregon e descobriram que eram fãs do trabalho um do outro. Logo após o termino das gravações de "Hooker 'n Heat", o excêntrico Alan "Blind Owl" Wilson, que sempre sofreu de depressão, foi dito por alguns ter tentado o suicídio dirigindo seu carro fora da estrada perto da casa de Bob Hite, em Topanga Canyon. Ao contrário de outros membros da banda, Wilson não teve muito sucesso com as mulheres e ficou profundamente perturbado e frustrado com isso. Sua depressão também piorou com a sua crescente preocupação ambiental sobre a deterioração da saúde da terra. Em 03 de setembro de 1970, pouco antes de sair para um festival em Berlim, a banda soube da morte de Alan Wilson por overdose de barbitúrico, tendo sido encontrado em uma encosta atrás da casa de Bob Hite. Creditado por Fito de la Parra e outros membros da banda por ter sido um suicídio, Wilson morreu aos 27 anos de idade, poucas semanas antes da morte de Janis Joplin e Jimi Hendrix. Rebecca Davis, escritora que escreveu a biografia de Alan Wilson, intitulada "Blind Owl Blues", diz que Alan não cometeu suicídio. Segundo ela, Alan sofria de depressão e, por isso, foi procurar ajuda psiquiátrica, e ao contrário da pessoa típica suicida, tinha planos positivos para o futuro, que incluia uma organização de caridade para beneficiar o meio ambiente. As drogas que ele usou na noite de sua morte foram obtidas em um esforço para auto medicar sua insônia severa, e algumas evidências indicam que seus efeitos podem ter sido agravados por um traumatismo craniano anterior. Joel Scott Hill foi recrutado para preencher o vazio deixado pela morte de Alan Wilson. A banda ainda tinha uma turnê para Setembro, assim como as datas de estúdio. Eles excursionaram pela Austrália e Europa e no verão seguinte eles apareceram no Festival de Turku, na Finlândia. No final de 1971 um novo álbum de estúdio, "Historical Figures and Ancient Heads", foi lançado. O álbum incluía o dueto vocal de Bob Hite com Little Richard na faixa "Rockin' With the King". Scott-Hill e de la Barreda, que deixaram a banda e em seus lugares entraram James Shane na guitarra base e vocais, Ed Beyer nos teclados e o irmão de Bob Hite, Richard Hite no baixo. A nova formação gravou o álbum "The New Age", lançado em 1973. As coisas não estavam nada boas. A banda estava devendo 30 mil doláres nos EUA e Skip Taylor, o manager da banda, aconselhou a banda a abrir mão dos royalties à sua gravadora anterior Liberty/United Artists e que fossem para a Atlantic Records. A estréia da banda na nova gravadora não foi nada boa.A banda lançou "One More River to Cross" em 1973. Com uma sonoridade diferente, o álbum não foi bem sucedido. Nessa época o manager da banda, Skip Taylor, já havia abandonado o barco. O produtor Tom Dowd (Lynyrd Skynyrd, Derek and the Dominos, The Allman Brothers Band, Willie Nelson) tentou obter mais um álbum da banda, mas a essa altura as drogas já tinham feitos as suas vitimas. Mesmo que um disco foi gravado em 1974 (com alguma colaboração do ex-membro Harvey Mandel), a Atlantic tinha terminado a sua relação com o Canned Heat antes que "The Ties That Bind" pudesse ser lançado, fato que só ocorreu em 1997. Henry Vestine, James Shane e Ed Beyer deixaram a banda em 1974. Para o lugar deles, foram chamados o pianista Gene Taylormas logo foi substituído por Stan Webb, e o guitarrista Chris Morgan. Mark Skyer veio como o novo guitarrista. Nesse meio tempo a banda tinha feito um acordo com a Takoma Records e gravaram o álbum "Human Condition", lançado em 1978 e que foi recebido com muito pouco sucesso. Pouco tempo depois, Mark Skyer, Chris Morgan e Richard Hite sairam da banda. O novo baixista foi Richard Exley, que após fazer amizade com Bob em turnê e assistir sua performance com a banda "Montana". Exley percorreu o restante do ano com a banda e colaborou com Bob em muitos dos arranjos. Richard, em seguida, saiu da banda após uma discussão sobre o consumo excessivo de drogas de Hite no palco. Drogas, bebedeiras e muitas trocas de membros, fizeram com que os membros do Canned Heat fossem reduzidos a Bob Hite e Fito de la Parra. Em 1978, Fito de la Parra voltou a trabalhar com Larry "The Mole" Taylor, que trouxe o guitarrista Mike "Hollywood Fats" Mann e o pianista Ronnie Barron, que saiu logo para ser substituído por Jay Spell. Essa formação ficou conhecida como Burger Brothers. Essa formação tocou na festa do 10° aniversário do Woodstock em Parr Meadows em 1979. Uma gravação foi feita pela King Biscuit Flower Hour e lançada em 1995 como "Canned Heat In Concert". Fito de la Parra considera esse o melhor álbum ao vivo da banda. Depois de uma briga com de la Parra e Hite, Taylor e Mann estavam cada vez mais descontentes com a direção musical da banda. No entanto, Jay Spell ainda estava a bordo e trouxe o baixista Jon Lamb. Henry Vestine mais uma vez fez o seu regresso a o Canned Heat, com The Bear e Fito como seus líderes.
Em 1980 Jay Spell e Jon Lamb deixam a banda. Com o novo baixista Ernie Rodriguez na banda, o Canned Heat gravou o álbum "Kings of the Boogie" em 1981. Esse foi o último álbum de estúdio gravado por Bob Hite. Em 05 de abril de 1981, após uma overdose de heroína durante um show em Palomino, Los Angeles, Bob Hite foi encontrado morto na casa de Fito de la Parra em Mar Vista, aos 38 anos de idade. A morte do vocalista do Bob "The Bear" Hite foi um golpe devastador, que a maioria pensou que iria acabar com a carreira do Canned Heat, no entanto Fito de la Parra manteve a banda viva e a levaria de volta para a prosperidade ao longo das próximas décadas. Uma turnê australiana tinha sido agendada antes da morte de The Bear e o gaitista Rick Kellog tinha se juntado a banda. Esta primeira encarnação do Canned Heat, sem Bob Hite foi apelidado de "Mouth Band", por Henry Vestine e foi um enorme sucesso na Austrália, especialmente com a multidão de motoqueiros. Bêbado Henry Vestine entrou em uma briga com Ernie Rodriguez e foi mais uma vez expulso da banda. Desta vez substituído pelo talentoso guitarrista Walter Trout. Depois de uma turnê com John Mayall, Fito foi forçado a demitir "The Push" como empresário da banda, mas acabou por terminar o vídeo ("The Boogie Assault") e um álbum ao vivo de mesmo nome gravado na Austrália em 1982 (também relançado como "Live In Australia" e "Live In Oz"). Esta versão do Canned Heat também iria se dissolver rapidamente com uma disputa entre Mike Halby e de la Parra, após a gravação do EP "Heat Brothers '84". Durante a década de 1980 o interesse pelo tipo de música tocado pelo Canned Heat foi reavivado e, apesar das tragédias do passado e a permanente instabilidade, a banda parecia estar revitalizada. Em 1985 Trout tinha deixado a banda, então Henry Vestine foi mais uma vez chamado, e ele trouxe de Oregon: James Thornbury (guitarra slide e vocal) e Jones Skip (Baixo). Eles foram apelidados de "Nuts and Berries". Não demorou muito para que ex-membros como Larry Taylor (que substituiu Jones) e Ronnie Barron voltaram a banda. Esse line-up gravou o álbum ao vivo, "Boogie Up The Country", em Kassel, Alemanha em 1987 e também aparecem na compilação "Blues Festival Live in Bonn '87 Vol 2". Barron, assim como antes não durou muito tempo na banda, nem Vestine, que foi novamente expulso da banda devido à pressão de Larry Taylor. O substituto de Vestine na guitarra foi Junior Watson.
Em 1988 a banda lançou o álbum "Reheated", sendo composta nesse momento por Junior Watson, James Thornbury, Larry Taylor e Fito de la Parra

Junior Watson saiu da banda em 1991, Harvey Mandel e trouxe o baixista Ron Shumake no baixo para tirar um pouco da carga de Larry Taylor. Mandel, no entanto, deixou a banda depois de algumas turnês, o cantor e guitarrista Becky Barksdale foi trazido para uma tour na França, Alemanha e no Havaí, mas não durou muito tempo."Internal Combustion" foi lançado em 1994 e seu line-up continha os ex-membros Mandel, Barron e Taylor.
Em 1995, James Thornbury deixou a banda sem ressentimentos após 10 anos de serviço para viver a vida de casado e Robert Lucas entrou em seu lugar. Greg Kage tomou as rédeas o baixista e depois de uma reconciliação com Larry Taylor, a banda lançou, "Canned Heat Blues Band", em 1996. Em 20 de outubro de 1997, Henry Vestine morreu em Paris, França após o show da uma turnê européia. Os álbuns de estúdio recentes do Canned Heat, incluem "Boogie 2000" (1999) e "Friends In The Can" (2003), que conta com vários convidados, incluindo John Lee Hooker, Taj Mahal, Walter Trout, Corey Stevens, Roy Rogers, Harvey Mandel e Larry Taylor. Eric Clapton e Dr. John fizeram aparições no "Christmas Album" (2007). Em julho de 2007, o documentário "Boogie with Canned Heat: The Canned Heat Story". No ano 2000, Robert Lucas tinha partido e a formação foi completada por John Paulus, Dallas Hodge (guitarra) e Stanley Behrens (sax, flauta). Lucas voltou ao Canned Heat no final de 2005, mas deixou novamente no outono de 2008. Ele morreu no dia 23 de novembro de 2008 na casa de um amigo em Long Beach, Califórnia, aos 46 anos. A causa foi uma aparente overdose de drogas. Outras mortes mais recentes de membros da banda incluiam o irmão Bob Hite, o baixista Richard Hite, que morreu com aos 50 anos no dia 22 de setembro de 2001, devido a complicações do câncer. O ex-baixista Antonio De La Barreda morreu de um ataque cardíaco em 19 de fevereiro de 2009.

Curiosidades

Apartir do final de 2008 até a Primavera de 2010 o lineup incluia Dale Spalding (guitarra, gaita e vocais), Barry Levenson (guitarra), Greg Kage (baixo) e Adolfo "Fito" de la Parra na bateria. Harvey Mandel e Larry Taylor excursionaram com Canned Heat durante o verão de 2009, para comemorar o 40 º aniversário de Woodstock. Em 2010, Taylor e Mandel oficialmente substituíram Kage e Levenson. A banda de turnê atual, consiste em Dale Spalding, Fito de la Parra, Larry Taylor e Harvey Mandel.

Integrantes

Adolfo "Fito" De La Parra (Bateria, Vocal, 1967-At)

Larry "The Mole" Taylor (Baixo, Guitarra, Vocais, 1967-70, 1978-80, 1987-1992, 1996-1997, 2009-At)

Harvey "The Snake" Mandel (Guitarra, 1969-1970, 1990, 1996-1999, 2009-At)

Dale Spalding (Guitarra, Gaita, Baixo, Vocal, 2008-At)

Ex-Integrantes


Vocal (Guitarra e Harmonica)

 

Alan "Blind Owl" Wilson (1965-1970)

Bob "The Bear" Hite (1965-1981)

Richard Kellogg (1981-1985)

James Thornbury (1985-1995)

Robert Lucas (1995-2000, 2005-2008)

Dallas Hodge (2000-2005)

Guitarras

 

Mike Perlowin (1965)

Kenny Edwards (1965-1966) 

Henry "The Sunflower" Vestine (1966-1969, 1970-1974, 1980-1981, 1985-1988, 1992-1997)

Joel Scott Hill (1970-1972)

James Shane (1972-1974)

Chris Morgan (1974-1977)

Stan Webb (1974-1975)

Mark Skyer (1975-1977)

Mike "Hollywood Fats" Mann (1978-1980)

Mike Halby (1980-1984)

Walter Trout (1981-1985)

Júnior Watson (1988-1991, 1992-1997)

Becky Barksdale (1992) 

Smokey Hormel (1992)

Paul Bryant (1997-2000)

John Paulus (2000-2006) 

Barry Levenson (2006-2010) 

Bateria

Keith Sawyer (1965)

Ron Holmes (1965-1966) 

Frank Cook (1966-1967)

Baixo

 

Stuart Brotman (1965–1966)

Mark Andes (1966–1967)

Antonio de la Barreda (1970–1972)

Richard Hite (1972–76) 

Richard Exley (1976–1977)

Jon Lamb (1980)

Ernie Rodriguez (1980–1985)

Skip Jones (1985–1987)

Ron Shumake (1990–1996)

Mark "Pocket" Goldberg (1996)

Greg Kage (1996–2010)

 

Teclados 

 

Ed Beyer (1972–1974)

Clifford Solomon (1974) 

Jock Ellis (1974)

Gene Taylor (1974–1976)

Ronnie Barron (1978, 1987–1988)

Jay Spell (1978–1980)

Stanley "The Baron" Behrens (2000–2005)

Discografia

 

Álbuns de estúdio

Canned Heat (1967) - Link

Boogie with Canned Heat (1968) - Link

Livin' the blues (1968) - Link

Hallelujah (1969) - Link

Future blues (1970) - Link

The Best Of Canned Heat (1970) - Link

Vintage (1970) - Link

Hooker 'n Heat (com John Lee Hooker) (1971) - Link

Historical Figures and Ancient Heads (1971) - Link

The New Age (1973) - Link

One More River to Cross (1973) - Link

Memphis Heat (com Memphis Slim) (1974) - Link

Human Condition (1978) - Link

Kings of the Boogie (1981) - Link

Reheated (1988) - Link

Internal Combustion (1994) - Link

Canned Heat Blues Band (1996) - Link

House of Blue Light (1998) - Link

Boogie 2000 (1999) - Link

The Boogie House Tapes (2000) - Link

Friends in the Can (2003) - Link

The Boogie House Tapes Volume 2 (2004) - Link

Ao vivo

Canned Heat '70 Concert Live in Europe (1970) - Link

Live at the Topanga Corral (1971) - Link

Live at Turku Rock Festival (1971) - Link

Live at Montreux (1973) - Link

Hooker 'n Heat, Live at the Fox Venice Theatre (1981) - Link

Burnin' Live (1991) - Link

In concert King Biscuit Flower Hour (1995) - Link

The Ties That Bind (1997) - Link

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                              Vídeos

                                                                                                                         

 
 
 
 
 

SIGA nossas redes

  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Instagram

© 2018-2019 | GeraRock® - Todos os direitos reservados